Quem somos

Somos uma organização filantrópica e sem fins lucrativos que atua de forma independente para ampliar o debate e os cuidados em prevenção de doenças e promoção de saúde mental no Brasil

Apoiamos iniciativas e projetos que proporcionem, por meio dos cuidados em saúde mental, melhora na qualidade de vida de todas as pessoas, olhando especialmente para adolescentes e mulheres em vulnerabilidade.

Trabalhamos oferecendo apoio financeiro estratégico para a construção e oferta de ferramentas e intervenções que elaborem soluções e boas práticas em atenção psicossocial. Priorizamos ações que possam ser multiplicadas em outros contextos e fomentamos a geração de evidências para apoiar a gestão pública.

Para nós saúde mental
é uma tarefa coletiva

Como para nós saúde mental é uma tarefa coletiva, apostamos na articulação em rede, promovendo diálogos entre a sociedade civil, academia, setor privado e poder público, e desenvolvemos parcerias visando a incidência em políticas públicas e inovações em saúde mental.

ENTENDA NOSSA ATUAÇÃO

Nossa História

São Paulo,
3 de agosto
de 2020

São Paulo, 3 de agosto de 2020, segunda-feira de um Brasil em pandemia: após um longo período gestando uma proposta inovadora, a investidora social Maria Fernanda Resende Quartiero funda o Instituto Cactus. A organização nasce com o propósito de transformar o futuro da sociedade brasileira por meio da saúde mental e escolhe um símbolo que já ajuda a contar a que veio: o cactus representa força, persistência e adaptabilidade, dispondo de uma resistência que poucas plantas possuem, assim como a mente humana.

O caminho até aqui foi longo: desde a infância Maria Fernanda esteve envolvida em iniciativas de cuidado com o próximo junto à sua família, primeiro com sua avó paterna e sua mãe, depois com sua sogra e amigas, gerações diferentes de mulheres que apostaram no cuidado. Mas algo sempre a incomodou, aquele apagar de incêndios que se repetia ano após ano não era o suficiente e a investidora social se sentia impotente frente aos problemas estruturais que geram toda essa demanda por necessidades básicas.

Ao perceber que em todos os setores sociais que recebem investimento não privilegiam as subjetividades dos grupos atendidos, ou seja, quem as pessoas são, o que sentem e como se relacionam com o mundo a partir de suas conquistas e fragilidades, nossa fundadora identificou uma lacuna: como seria possível falar do indivíduo sem falar da sua saúde mental?

Entendendo que não é possível elevar os índices de aprendizado escolar, melhorar o desempenho profissional, diminuir a violência, escalar o acesso à saúde e tantas outras necessidades básicas sem levar em conta que o protagonista dessa história toda é o indivíduo, começou um trabalho pioneiro com saúde mental no Brasil. Atuação que se torna cada dia mais necessária por sua transversalidade com  outras esferas da vida: não podemos negar que a saúde mental está em todos os lugares. Por aqui, costumamos dizer que saúde mental é assunto de todas as pessoas e está em todos os ambientes, mesmo que  silenciosamente.

Desde então, trabalhamos incansavelmente para institucionalizar esse debate em todas as esferas sociais e consolidamos a escolha dos nossos públicos de forma a maximizar este impacto: atuar com saúde mental de adolescentes e mulheres é potencialmente transformador e os benefícios são para toda a sociedade.

Com o esforço de embasar nosso trabalho em evidências e dados, um dos nossos primeiros passos foi a feliz parceria com o Instituto Veredas, para a produção e publicação de um relatório inédito sobre os caminhos de atuação em saúde mental no Brasil. Apresentamos um panorama geral do campo no mundo, com as principais abordagens, necessidades, oportunidades e estratégias e mapeamos alguns caminhos de atuação e principais lacunas de pesquisa no tema.

No prefácio, tivemos a honra de trazer duas vozes que atuam lado a lado na saúde mental e que representam tantas das outras vozes nesse tema, reforçando a nossa crença de que, é aproximando saberes e visões que chegaremos mais longe.

Desde então, temos fortalecido nossa atuação com projetos que impactem de forma estrutural a saúde mental, articulando sociedade civil, governo e setor privado.

Acreditamos que, com a diversidade de olhares, sotaques, gerações e ecossistemas construindo a narrativa sobre saúde mental que acreditamos, estaremos mais próximos da mudança de cultura que desejamos e precisamos para um futuro mais saudável e possível. Vamos continuar trabalhando para o impacto positivo na saúde mental no Brasil, de forma contínua e permanente.

Nossa proposta:

Nossa missão

Temos como missão melhorar a qualidade de vida de todas as pessoas por meio do apoio a projetos em prevenção de doenças e promoção da saúde mental. Queremos ampliar as iniciativas que valorizem cada pessoa como protagonista da própria jornada e que contribuam para democratizar o acesso a ferramentas de cuidados com a saúde da mente.

Apoiamos projetos e iniciativas, promovemos diálogos e fortalecemos o ecossistema para pautar a centralidade da saúde mental no Brasil de forma acessível e permanente, olhando especialmente para a saúde mental de adolescentes e mulheres, nossas apostas institucionais para transformar o cenário da saúde mental no Brasil.

CONHEÇA NOSSOS PROJETOS

Nossa visão

Sonhamos com um futuro em que toda a sociedade se dedique aos cuidados com saúde mental, especialmente no que diz respeito à prevenção, já que um futuro mais saudável e possível depende de ações pró-ativas no presente.

Queremos fortalecer o ecossistema de saúde mental no Brasil e construir redes envolvendo atores de todos os setores, pois sabemos que não tem como melhorar índices de outras agendas sociais sem enfrentar o desafio de cuidar da saúde mental. Desenhamos soluções de forma compartilhada e potencializamos parceiros e apoiadores para que sejam multiplicadores desta causa.

Engajamos mais atores para que incorporem a “lente” da saúde mental em suas áreas de atuação porque não é possível abordar o tema apenas a partir da esfera individual, sem considerar a dimensão coletiva e os fatores de risco e de proteção, que influenciam a saúde da mente. Trabalhamos para que todas as pessoas tenham condições e recursos para acessar formas de cuidado, oferecendo evidências e boas práticas para apoiar a tomada de decisões da gestão pública e outros decisores na área.

Nosso manifesto

Trabalhamos para um futuro em
que toda a sociedade cuide da
saúde mental assim como nos
dedicamos à saúde do corpo

Nossas práticas

Informar é formar:

trabalhamos em diversas frentes para eliminar o estigma e a discriminação ligados à saúde mental, fornecendo informações qualificadas e compartilhando boas práticas.

Mentalidade de
crescimento:

acreditamos na capacidade adaptação da mente humana, em mudanças positivas e sistêmicas e no poder da sociedade civil como agente transformador.

Acesso e equidade:

todas as pessoas, independente da idade, gênero ou condição social, devem ter garantido o pleno direito de acesso à saúde mental.

Vamos juntos
porque queremos
ir mais longe:

é com a união de esforços do terceiro setor, academia, setor privado e setor público e no fortalecimento da articulação em rede que alcançaremos nossos objetivos relacionados à saúde mental.

Somos diferentes,
precisamos de
olhares segmentados:

através de uma escuta ativa, pautamos a saúde mental e propomos abordagens adequadas às especificidades de cada pessoa e grupo.

Nossa equipe:

MARIA FERNANDA RESENDE QUARTIERO

Diretora Presidente

“Torna-te aquilo que és”
(Nietzsche)

Formada em comunicação social, tem vasta experiência com impacto social e filantropia, tendo co-fundado a Turma do Jiló e apoiado organizações como a Fundação Estudar e o Fundo Dona de Mim.

LUCIANA ROSSI BARRANCOS

Gerente Geral Executiva

"Entre o estímulo e a reação há um espaço. Neste espaço está nosso poder de escolher nossa resposta. Na nossa resposta está nosso crescimento e nossa liberdade."
Viktor Frankl

Traz na bagagem o olhar de administração de empresas, direito e gestão, com MBA em Stanford, e passagem por instituições como Banco Mundial e startups de saúde mental no Vale do Silício.

nosso conselho
consultivo

Christian Ingo
Lenz Dunker

Psicanalista, professor titular em Psicanálise e Psicopatologia do Instituto de Psicologia da USP.

Marcia C.
Castro

Chefe do Departamento de Saúde Global e População na Faculdade de Saúde Pública de Harvard.

Marina Feffer
Oelsner

Co-fundadora do Generation Pledge.

Natalia
Cuminale

Jornalista especializada em saúde e fundadora do Futuro da Saúde.

Márcio
Bernik

Psiquiatra e coordenador do Laboratório de Ansiedade da Faculdade de Medicina da USP.

Provocamos impactos estruturais tendo
como ponto de partida a saúde mental,
pois não pode haver mudança sustentável
sem olharmos para as pessoas

Relatório de Atividades

Voltar para
o topo

Fique por dentro das nossas novidades! Inscreva-se* em nosso boletim informativo:

.